Diário de Omaha

Olha lá, quem vem do lado oposto - Diário de Omaha 71

12min de leitura

Guilherme Cruz

Guilherme Cruz

Analista de Indústria

Olha lá, quem vem do lado oposto

Por Guilherme Cruz

Uma pauta que pretende revolucionar o setor de seguros é o Open Insurance. E claro, ele tem relação com algo que já aconteceu no setor bancário: o Open Banking.

O Open Banking, para quem não conhece, funciona assim: clientes de instituições participantes, como bancos e fintechs, podem compartilhar o próprio histórico financeiro com instituições com as quais ainda não tenham relacionamento direto. O objetivo, com isso, para os clientes, é conseguir melhores alternativas financeiras, dada a maior competição entre as instituições.

Dessa forma, eles não precisarão, necessariamente, desenvolver um relacionamento com esse outro banco para adquirir benefícios e ofertas personalizadas, como acontecia no passado.

O Open Insurance, que ainda está em desenvolvimento, pretende fazer o mesmo para o segmento de seguros. A iniciativa possui 3 fases de implantação.

A primeira aconteceu entre dezembro de 2021 e junho de 2022. Através dela foi feito, simplesmente, o compartilhamento de dados já públicos das seguradoras, como a localização delas e suas prateleiras de produtos e serviços.

A segunda começou em março deste ano e vai até junho de 2023. Nessa fase começa o compartilhamento de dados pessoais dos consumidores, como histórico de pagamento de prêmios, coberturas contratadas e sinistros ocorridos

A última fase, com início em maio de 2023 e prazo de finalização previsto para setembro, é onde o Open Insurance começa a funcionar de verdade. O cliente poderá fazer a contratação de serviços, fazer a portabilidade entre seguradoras e o aviso de sinistros, por exemplo, tudo digitalmente.

imagem

O Open Insurance também prevê a criação das SPOC (Sociedades Processadoras de Ordem do Cliente).

Essas empresas serão credenciadas pela SUSEP para atuação no Open Insurance e poderão oferecer soluções diversas para os clientes, que vão desde serviços de agregação de dados, painéis de informação e controle, até a execução de serviços, caso o consumidor queira.

A expectativa é que vários players irão se interessar em criar uma SPOC. Desde insurtechs, seguradoras, corretoras de seguros, bancos, até mesmo empresas de fora do segmento, como varejistas e provedores de tecnologia, por exemplo.

Esses novos players poderão desenvolver novos modelos de negócios, o que pode ajudar na expansão do mercado de seguros brasileiro e mundial.

Mas na prática, a competição já está ficando mais acirrada, antes mesmo da Fase 3 do Open Insurance entrar no ar.

O Banco Inter (INBR32), por exemplo, foi um dos primeiros a enxergar essa tendência de maior digitalização do segmento. Dentro de seu marketplace, o Inter Shop, onde vende roupas, TVs e até viagens, o banco passou a oferecer também o Inter Seguros. O Inter afirma ter a plataforma de seguros digitais mais completa do Brasil, oferecendo produtos como Seguro Pix e Seguro Pet. Em 2022 a plataforma emitiu R$ 213 milhões em prêmios e possuía mais de 1,2 milhão de contratos ativos.

Outro banco, o BMG (BMGB4) criou seu braço de seguros em agosto do ano passado.

Mas a concorrência não é só privada.

A Caixa Seguridade, recém-estreante na Bolsa, quer mostrar serviço. E o apetite dela não é pouco: a seguradora quer se tornar o segundo maior grupo segurador do Brasil em 2024. Com isso ela tomaria o lugar da BB Seguridade, já que o pódio é ocupado pela Bradesco Seguros.

A própria Caixa, como banco agora, planeja também expandir na área de crédito rural. Obviamente, não dá pra descartar a possibilidade da Caixa Seguridade também se aproveitar disso e passar a oferecer seguros rurais, o que já foi até especulado pelo ex-presidente da empresa, Pedro Guimarães. Com isso, a “demarcação histórica” da Caixa, como banco do crédito imobiliário, e o BB, como do crédito rural, acabaria apagada.

Para isso, a Caixa também conta com um forte arsenal em mãos. Sua rede de distribuição é uma das poucas equiparáveis a do BB, já que ela conta com uma infinidade de lotéricas espalhadas Brasil afora.

A tendência de maior competição no setor é clara, já que o próprio regulador anda estimulando isso através do Open Insurance. O faturamento da BB Seguridade pode ficar cada vez mais ameaçado com mais players atuando no segmento.

O próprio CEO da empresa chegou a dizer no ano passado: “Por sermos uma das maiores empresas [do mercado de seguros], temos convicção de que seremos atacados, assim como qualquer grande competidor.”

Resta saber se a BB Seguridade estará realmente preparada para se defender quando o ataque chegar.

Ficou curioso sobre a BBSE3 e o setor de seguros? Temos um relatório completo sobre a empresa na nossa plataforma. Pra conferir, é só vir por aqui.

Como surgiu a Ambipar

Por Matheus Nóbrega

O ano era 1995, um momento de grandes desafios e oportunidades no cenário ambiental. Nesse contexto, no interior de São Paulo, precisamente em Ribeirão Preto, um grupo resolveu fundar a Ambitec, uma empresa comprometida em tornar o mundo um lugar mais sustentável. Seu objetivo inicial era lidar com o tratamento de resíduos, uma questão urgente, que exigia soluções inovadoras.

No entanto, os fundadores da Ambitec logo perceberam que havia uma necessidade crescente por serviços logísticos especializados. Foi então que, apenas 1 ano depois de fundarem a Ambitec, eles fundaram a Getel Logística. Essa nova divisão da Ambitec expandiu a capacidade da companhia e marcou o início da sua atuação no setor logístico, mais especificamente fazendo o transporte e a manipulação adequada e segura de substâncias perigosas.

imagem da ambipar

O ano de 1998 foi marcado pela entrada do atual controlador da Ambipar no grupo. Nessa ocasião, Tércio Borlenghi Júnior chegou na Ambitec para ser um dos sócios da companhia, acompanhado de um bom know how sobre transporte de cargas e de alguns Ativos para crescer o bolo. Afinal de contas, ele é filho de Tércio Borlenghi, um renomado empresário do transporte de cargas. Hoje em dia, Tércio Júnior é o manda chuva da empresa com mais de 50% das ações e possui um assento no Conselho de Administração.

À medida que o tempo foi passando, a Ambitec ficou cada vez mais forte e se tornou uma especialista nos setores de transporte, gestão e valorização de resíduos.

Foi em 2005 que os sócios resolveram dar um passo adiante e criaram a Brasil Ambiental. Ela tinha sede nos estados do Espírito Santo e de São Paulo, e oferecia soluções completas e sustentáveis para lidar com resíduos de todos os tipos, desde os urbanos até os industriais, de saúde, portuários e aeroportuários.

Com essa expansão, a Ambitec consolidou sua reputação e se tornou uma referência no setor. Todo mundo passou a reconhecer a qualidade do trabalho deles, e logo a demanda por suas soluções começou a se espalhar por todo o país.

Mas o Grupo não parou por aí. Em 2008 foi fundada a Planeta Ambiental (atual Ambipar Response), uma divisão focada em resposta a emergências ambientais. Sejam derramamentos de produtos químicos perigosos ou vazamentos de óleo, eles estavam prontos para agir rapidamente e minimizar os danos ao meio ambiente.

Com todo esse crescimento, e os sócios vendo o negócio se expandir, eles pensaram: "Bora dar uma organizada nessa bagunça!". Então, em setembro de 2010, surgiu a famosa Ambipar. A ideia era juntar todas as empresas que foram criadas ao longo dos anos e colocar tudo sob um mesmo teto, para ficar mais fácil de coordenar e criar uma sinergia melhor entre elas.

imagem da ambipar

Depois da reorganização, a empresa continuou se expandindo. Em 2011, o Grupo deu um passo importante em direção à logística reversa, adquirindo 51% da empresa Descarte Certo. Agora eles podiam oferecer soluções completas para o descarte adequado de resíduos, garantindo que materiais perigosos e poluentes fossem tratados de forma responsável.

Além disso, a Ambipar expandiu seu negócio de atendimento a emergências, adquirindo 100% da SOS Cotec. Com essa aquisição, eles aumentaram sua capacidade de resposta a incidentes ambientais e emergências.

imagem da ambipar

O ano de 2012 foi bem marcante. O Grupo expandiu ainda mais seu segmento de atendimento a emergências, incorporando 51% da Emergência Participações — em 2017 a Ambipar comprou a fatia restante e ficou com 100% da companhia. A Emergência Participações era uma holding que controlava 3 empresas no Brasil e 1 no Chile. A aquisição fortaleceu a presença da Ambipar no mercado nacional e também foi o pontapé inicial da sua trajetória de expansão internacional.

Um tempo depois, em 2016, a Ambipar adquiriu a Ecosorb, expandindo ainda mais seu atendimento a emergências para incluir a divisão marine. Agora eles podiam intervir prontamente em acidentes em alto mar como derramamentos de óleo e outros incidentes ambientais que ocorressem nos oceanos.

Seis anos depois de conquistar o primeiro território internacional, em 2018 a Ambipar decidiu que era hora de expandir ainda mais a sua atuação fora do Brasil. Dessa vez a companhia atravessou o Oceano Atlântico para fazer mais uma aquisição. A bola da vez foi a Braemar Response, empresa que prestava serviços de atendimento a emergências na Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte, iniciando a expansão de suas atividades para a Europa.

Além disso, nesse mesmo período, foi feita a aquisição da WGRA, uma empresa brasileira especializada em atender emergências para grandes seguradoras, que solidificou ainda mais sua posição no mercado nacional.

Em 2019, a Ambipar colocou em prática uma estratégia de rebranding. A ideia foi renomear quase todas as empresas do grupo colocando o nome Ambipar na frente do nome das companhias. O objetivo foi reforçar a identidade Ambipar, fortalecendo a marca e sua interação com os clientes, que passaram a ter uma percepção integrada de todas as atividades do grupo.

Chegamos a 2020, um ano marcante para a Ambipar. Com o ticker AMBP3, finalmente a companhia abriu capital na Bolsa de Valores. Com o IPO, a empresa conseguiu levantar nada mais nada menos que R$ 1 bilhão. Com toda essa grana no bolso, para variar um pouco, a Ambipar foi feroz ao mercado e fez uma série de aquisições.

Com a mala cheia de dinheiro, a Ambipar partiu em direção à América do Norte. Ela voltou dessa viagem com quatro novas empresas dentro da sua bagagem, todas elas sediadas nos Estados Unidos. Com a aquisição da Customer Environmental Service (CES), Allied, Onde Stop Environmental e Intra Costal Environmental, a Ambipar se tornou capaz de atuar em todo o território norte-americano.

Mas o Grupo não parou por aí; os anos de 2021 e 2022 foram bem movimentados. Durante esse período, a Ambipar fez uma série de aquisições que aumentaram seu tamanho de maneira exponencial. Para você ter uma ideia, ao longo desses dois anos, foram realizadas 28 aquisições, sendo 16 empresas nacionais e 12 internacionais.

Ao longo de quase 30 anos de existência, a Ambipar apresentou um forte crescimento e um grande apetite por aquisições. Atualmente, a companhia presta serviços em todos os continentes, em mais de 40 países, por meio de suas mais de 400 bases. Em 2022, toda essa rede da empresa foi responsável por uma Receita Líquida de R$ 3,8 bilhões

imagem do mapa onde ambipar atua

Quer saber mais sobre a AMBP3? A empresa acabou de estrear no VBOX! Saca só a capa e o índice do relatório dela (em breve, teremos o vídeo completo também):

imagem capa do vbox da ambipar

🍷 Sommelier

Consumimos de tudo. Trazemos o que importa

📺 Vídeos

Esse vídeo do canal Capital Financeiro trata sobre um grande projeto de infraestrutura brasileiro: a Ferrovia Norte-Sul.

O Ambicioso Projeto do Brasil vai finalmente conectar o Norte ao Sul - YouTube

Como não poderia deixar de ser, o projeto tem implicações — em graus diferentes, claro — para várias empresas da Bolsa.

Uma delas é a Kepler Weber, uma das próximas empresas a estrearem no VBOX.

Fato é que não é de hoje que a logística brasileira vem evoluindo. De 2008 pra cá, o custo total para transporte da soja saindo do Brasil (tanto da região Sul quanto da Norte) para Shanghai já ficou mais baratos do que o dos EUA para lá.

imagem de um grafico

Isso tudo gera demanda para os silos de armazenagem e demais equipamentos produzidos pela empresa que fazem a limpeza, movimentação e monitoramento dos grãos nos portos e terminais.

Fique ligado que, em breve, falaremos mais sobre a Kepler Weber.

Falando ainda sobre, esse belo vídeo do canal Tem Ciência trata de conceitos matemáticos (e de psicologia) envolvidos na economia de uma forma descontraída e mesmo assim didática:

PARADOXO DE SÃO PETERSBURGO: QUANTO VALE DINHEIRO INFINITO? - YouTube

⏳ Atemporalidades

Leia agora, leve pra vida.

  • Acho que podemos mudar tudo o tempo todo. Acasos são as melhores coisas que existem. Eles nos obrigam a sair de um caminho que parecia traçado… Muitas vezes, quando as coisas não correm bem, somos forçados a fazer diferente e de repente elas se tornam interessantes. — Jane Birkin, cantora, compositora, atriz e ex-modelo, falecida no domingo, 16 de julho.

Por hoje é só pessoal 🤙

Bebam café, se hidratem e apreciem os acasos.

Boa semana e bons negócios!

Tem alguma dúvida, crítica ou sugestão pro Diário? É só responder a esse e-mail, comentar aqui embaixo se você estiver vendo pelo Substack ou mandar uma mensagem no Twitter/Instagram de qualquer um dos nossos analistas!

VAROS 2024

Todos os direitos reservados