Análises de Empresas

Como a Tesla dominou o mercado de carros elétricos?

10min de leitura

Misael Guedes

Misael Guedes

Redação

O inicio de tudo

A história da Tesla é marcada por resiliência e inovação. A empresa, fundada por Martin Eberhard e Marc Tarpenning, nasceu no mesmo ano em que o projeto EV1, um carro elétrico da General Motors, foi descontinuado por conta da baixa autonomia, a velocidade máxima de 120km/h e as dificuldades do sistema de carregamento do veículo.

GM EV1, concept car 2023 Conceito do GM EV1 em 2023(gerado por AI)

A dupla de engenheiros do Vale do Silício tinha acabado de vender seu negócio de e-books por 187 milhões de dólares e decidiu investir na criação de um carro esportivo 100% elétrico.

O conceito original da Tesla era mudar a maneira como o mundo enxergava os carros elétricos naquele momento - veículos pequenos, quase como caixas de fósforos, com um design pouco atraente e um motor nada atraente.

A estratégia inicial era começar a empresa com um modelo esportivo de alto desempenho - para acabar com esse estigma e atrair a atenção do público.

Além disso, a receita gerada com o primeiro modelo - o Tesla Roadster - serviria para financiar um projeto futuro de carro mais acessível.

Com 288 cavalos de potência, o Roadster era capaz de ir de 0-100 em 4 segundos e nem se comparava ao falecido EV1. O esportivo da Tesla era mais rápido que uma Ferrari. Mas de novo, ele era só um protótipo.

A influência de Elon Musk na Tesla

Elon Musk foi fundamental para o sucesso da empresa. Embora ele não seja um dos fundadores originais, Musk se juntou à Tesla em 2004, investindo 6,35 milhões de dólares do seu próprio bolso e se tornando presidente do conselho de administração.

Elon Musk and Model S

Musk conheceu os fundadores originais, Martin Eberhard e Marc Tarpenning, em uma palestra da Mars Society, uma organização dedicada à exploração e colonização de Marte.

Eberhard e Tarpenning sabiam que a única pessoa que acreditaria em um projeto tão ambicioso quanto o deles seria alguém como Musk, que tinha acabado de ganhar muito dinheiro com a venda do PayPal e estava trabalhando em um negócio igualmente ambicioso: a SpaceX.

A visão de Musk foi fundamental para mudar completamente o destino da empresa e transformá-la no que é hoje.

Em 2008, quando a Tesla enfrentava dificuldades financeiras, Musk garantiu mais 40 milhões de dólares em financiamento, emitindo títulos de dívida da empresa para ajudá-la a evitar a falência.

Mesmo em um momento muito difícil, Musk teve habilidade para conseguir investidores de grande peso e injetou grande parte de seus ganhos com a venda do PayPal na empresa.

Em 2009, Martin Eberhard, cofundador e ex-CEO, processou a Tesla e Elon Musk por difamação e calúnia.

Ele alegou que havia sido forçado a deixar a empresa com base em atrasos na produção e problemas financeiros que foram injustamente atribuídos à sua liderança. Eberhard mais tarde desistiu do processo.

A influência de Musk na Tesla vai além do financiamento. Ele também teve um papel importante na definição da estratégia da empresa. Por isso, pra mostrar que não tava brincando, em 2006 Musk revelou a primeira parte do seu plano secreto de dominação mundial da Tesla: o Master Plan parte 1.

Tesla Master Plan – Parte 1

Na primeira parte do plano, Elon Musk cita que o motivo dele estar financiando a empresa é ajudar na transição da economia de combustíveis fósseis para uma economia solar elétrica, que ele acredita ser a principal solução sustentável para o planeta.

Como a Tesla dominou o mercado de carros elétricos no mundo?

Em resumo, a estratégia era a seguinte:

  1. Construir um carro esportivo caro.
  2. Usar o dinheiro das vendas pra construir um modelo de carro mais barato.
  3. Usar o dinheiro das vendas do modelo novo pra construir um carro ainda mais barato.
  4. E enquanto isso, oferecer alternativas carbono zero de geração de energia.

Dando início ao plano, o preço do Roadster foi fixado em 100 mil dólares. Em duas semanas, a Tesla tinha vendido 127 Roadsters, ou seja, 12,7 milhões de dólares.

Detalhe: os carros só seriam entregues dois anos depois, em 2008.

Mas no ano da entrega as coisas começaram a desandar e 2 acontecimentos importantes levantaram dúvidas sobre o futuro da Tesla.

Em janeiro, os fundadores - Marc e Martin - brigaram com Elon Musk e saíram da companhia.

Meses depois, um baque ainda maior atingiu a empresa: a crise de 2008.

Como a Tesla ainda não era listada na Bolsa em 2008, todas as informações sobre a companhia na época eram privadas. Então, não dá pra ter certeza sobre o que aconteceu na época, só estando lá dentro pra saber.

De qualquer forma, a empresa sobreviveu à crise e o master plan também. Mas pra fazer tudo que queria, a empresa ainda precisava de mais dinheiro. Isso porque o Tesla Roadster dava prejuízo pra ser produzido no início. Então, aquela história de usar o dinheiro das vendas pra financiar novos projetos não ia rolar.

Em 2010, a Tesla foi para a Bolsa de Valores valendo cerca de 1,6 bilhão de dólares.

Em 1º de novembro de 2021, a Tesla valia 1,2 trilhão de dólares. Isso é mais que seus 10 concorrentes somados. Volkswagen, Toyota, Ford, Honda, GM, Fiat, BMW, Mercedes-Benz, Nissan e Hyundai.

Todas elas juntas não conseguiam superar o valor de mercado da Tesla. Isso fez da Tesla a primeira montadora a ir para a bolsa nos Estados Unidos desde a Ford em 1956.

Em 2011, finalmente o passo 2 do plano foi iniciado. A Tesla começou a produzir o Model S, o primeiro dos carros mais “acessíveis”, com um preço de 80 mil dólares.

Só que tinha um problema: a bateria.

Com a tecnologia da época seria muito difícil os carros elétricos serem usados em larga escala. Pra você ter ideia, um Roadster com autonomia de 400 quilômetros demorava de 24 a 48 horas pra carregar conectado na energia de casa.

Aqui entra o que eu considero a grande estratégia da Tesla pra dominar o mercado de carros elétricos.

Os Superchargers e as Gigafactories

Em 2012, a Tesla lançou sua iniciativa Superchargers, que consistia em supercarregadores de alta velocidade espalhados pelo país.

As 48 horas do Roadster ficaram pra trás, hoje uma carga completa dura pouco mais de 20 minutos, é o tempo de fazer um lanche e cair na estrada de novo.

Junto aos carregadores, a empresa também iniciou os projetos para melhorar a eficiência das baterias e os processos de montagens dos carros, o que ajudaria a melhorar as margens, já que custariam menos, e rodariam mais também.

Esse projeto consiste nas Gigafactories, fábricas gigantes com uma operação massiva para alcançar economias de escala na produção das baterias.

O objetivo era finalmente tornar os carros elétricos mais baratos, além de automatizar a montagem dos veículos e aumentar a eficiência de produção.

A primeira Gigafactory começou a operar em 2016 no estado de Nevada, nos Estados Unidos. Hoje, a Tesla tem mais quatro Gigafactories trabalhando: duas nos Estados Unidos - em Nova York e no Texas, uma em Xangai - na China - e outra em Berlim, na Alemanha. A Tesla ainda planeja abrir mais uma de suas operações em Monterrey, no México.

A missão da empresa nunca foi simplesmente produzir carros elétricos. Como ela mesmo descreve, sua missão é acelerar a transição mundial para a energia renovável. E para isso, ela não deixa de fazer investimentos em inovação e tecnologia.

A estratégia das fábricas gigantes - com alta tecnologia - é de montar os veículos de forma quase 100% automatizada - em um ritmo realmente revolucionário e adequado à ambição da companhia.

Enquanto você está lendo esse artigo (só até aqui) mais de 10 carros da Tesla já foram fabricados nas fábricas gigantes. Ao final do artigo, 20 Teslas já estarão construídos.

Mas enquanto a gigafactory não saía do papel, mais ideias saíam da cabeça de Elon Musk.

No meio do caminho em 2014, a Tesla começou a desenvolver um software de inteligência artificial, com uma meta ousada: criar carros 100% autônomos, ou seja, que pudessem dirigir sozinhos sem qualquer necessidade de um humano pilotando.

A beleza dele é que a cada quilômetro rodado por cada Tesla do planeta o software fica mais inteligente, sendo capaz inclusive de evitar acidentes.

Mas isso era só um spoiler do que estava por vir: o Master plan parte 2.

Tesla Master Plan – Parte 2

Em 20 de julho de 2016, 10 anos depois da primeira parte, Elon Musk liberou a parte 2 do seu grande plano para dominar o mercado de carros elétricos no mundo.

E pra conferir a parte dois e o resto do plano de Elon Musk pra dominar o mundo, confira o vídeo que o Lucas fez lá no nosso canal do Youtube.

O vídeo está muito completo e com detalhes que eu tenho certeza que você não sabia


Se você gostou desse vídeo e desse conteúdo acho que você também vai gostar desse artigo aqui embaixo.

Imagine um homem de 80 anos, no palácio da Versace em Miami Beach num sábado à noite. Sentado em frente a um prato de torradas de salmão defumado com folhas de ouro e trufas raspadas, parece aquelas cenas de filme.

Esse é Herbert Wertheim, o maior investidor que você nunca ouviu falar

Herbie Werthein

VAROS 2024

Todos os direitos reservados